COLMOS

Os colmos são a parte que mais facilmente distingue uma espécie de outra, por terem tamanhos, diâmetros, cores e texturas diferenciadas. São na maioria ocos, mas existem exceções. Os entrenós do gênero Chusquea, das Américas Central e do Sul, são sólidos, assim como a espécie Dendrocalamus Strictus. Algumas espécies possuem água no interior dos entrenós. Existe uma espécie cujos colmos tem forma naturalmente quadrangular, com cantos arredondados, o Chimonobambusa quadrangularis. Pode-se induzir uma forma ao colmo, construindo uma estrutura contenedora ao redor do broto até uma altura de cerca de um metro e meio. O broto mole se adapta ao formato da caixa e seus colmos telescópicos também. A partir daí o bambu cresce com o formato induzido, triangular, quadrado, etc...

Os colmos de bambu consistem em fibras que chegam a centímetros, feitas de lignina e silício. Segundo Mr. Stanford Lynx "a parede das células do bambu é um composto feito de um rígido polímero de celulose em uma matriz de lignina e as hemiceluloses." O silício agrega resistência mecânica ao bambu. A matriz de lignina dá flexibilidade.

O broto que cresce de um rizoma é um colmo ainda "recolhido" e totalmente protegido pelas folhas caulinares. O colmo como broto lembra um telescópio recolhido, e, conforme cresce, suas partes internas se afastam umas das outras, como um telescópio aberto. Na sua fase inicial de crescimento observam-se as maiores velocidades de crescimento do reino vegetal, com algumas espécies gigantes crescendo até 40 cm em 24 horas. No final do primeiro ano o bambu já completou seu crescimento. As folhas caulinares protegem os entrenós até a parte essencial do crescimento ter se completado, então secam e caem.

As folhas caulinares consistem principalmente na bainha e na lâmina (ou limbo), e também na lígula com suas franjas, e duas aurículas com suas cerdas. Estas especificidades ajudam na identificação de uma espécie. As folhas caulinares dos nós mais superiores possuem lâminas mais longas que as inferiores.

 


foto microscópica
de corte transversal / fibras de bambu
Dr. Grosser / Munique - 1000 Things of Bamboo
 
composição da folha caulinar: note que a lâmina,
a lígula e a franja podem ser curtos ou longos,
ajudando na identificação das espécies


GALHOS

Os galhos se desenvolvem a partir das gemas existentes nos nós dos colmos. No gênero Phyllostachys os galhos se desenvolvem ainda na fase de broto, provocando uma ranhura alternada no colmo, por crescerem forçando espaço. Nos gêneros Phyllostachys e Semiarundinaria os galhos se formam ainda nos brotos, e aparecem conforme o colmo se alonga, porém nos outros gêneros os galhos só aparecem após o colmo ter completado seu ciclo de elongamento. Os galhos podem começar a se desenvolver do tôpo para baixo, ou vice-versa, dependendo da espécie. Quando há falta de luz, os galhos inferiores podem não se desenvolver propriamente.

Existe um número habitual de galhos em uma dada espécie, o que contribui para facilitar a identificação.

colmo e galhos


paginas     1 I 2 I 3 I 4 I 5 I 6 I 7 I 8

Info I Grupo I Produtos


Conteúdo desenvolvido: Raphael Moras de Vasconcellos- Rio de Janeiro / BRASIL
contato:
produzido por : COMDESIGN